Abuso sexual contra crianças: balanço mostra aumento do número de denúncias em Quatis

Abuso sexual contra crianças: balanço mostra aumento do número de denúncias em Quatis

22/05/2018 0 Por

Dados do CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) mostram que, nos primeiros quatro meses de 2018, o número de denúncias sobre abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes aumentou numa comparação contra os 12 meses do ano passado e o ano inteiro de 2016. A informação foi divulgada pela coordenadora do CREAS, Flávia Paiva, durante a caminhada realizada na manhã desta sexta-feira, pelas ruas do Município, visando despertar a atenção dos moradores para o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (18 de maio).

Segundo o balanço apresentado pelo CREAS, instituição subordinada à Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, de janeiro a dezembro de 2016 foi registrada apenas uma denúncia. Já durante o ano todo de 2017 o número de ocorrências neste sentido chegou a duas. E de janeiro a abril de 2018 já foram mais quatro denúncias, o que indica a possibilidade da quantidade de ocorrência aumentar ainda mais, pois o ano corrente ainda se encontra no primeiro semestre.

Para Flávia Paiva, o crescimento do número de registros pode ser explicado pelas campanhas educativas realizadas ao longo dos últimos meses pela Prefeitura de Quatis com o objetivo de conscientizar a população a respeito da importância de registrar oficialmente as denúncias e de divulgar os meios disponibilizados ao cidadão para que as ocorrências sejam informadas oficialmente aos órgãos municipais competentes. Isso porque, segundo seu entendimento, as pessoas estão sabendo agora como e onde fazer as denúncias.

Em Quatis, as denúncias podem ser feitas pelos telefones 3353-6122 (CREAS) e 3353-6475 (Conselho Tutelar), ou pessoalmente, nas sedes das destas duas instituições. O CREAS funciona na Rua coronel José Leite 114 e o Conselho Tutelar está localizado na Rua Francisco Balbi 29, ambos no Centro de Quatis. As denúncias podem ser anônimas e os casos são tratados em sigilo, tanto pelas repartições municipais, quanto por outras instituições encarregadas de trabalhar na apuração das denúncias e no acompanhamento das vítimas e os seus famíliares, entre elas, o Ministério Público e a Polícia Civil.

– Para a realidade de Quatis, o número de denúncias registradas de janeiro a abril deste ano deve servir de alerta, já que que em apenas quatro meses registramos as denúncias duas vezes mais do que todo o ano passado e uma quantidade quatro vezes maior numa comparação com os 12 meses de 2016. Por outro lado, atribuímos este crescimento ao fato de que estamos priorizando o chamado ao povo de Quatis no sentido de que as denúncias sejam efetivamente registradas, uma vez que a prefeitura oferece um trabalho totalmente voltado ao recebimento das denúncias, à assistência das vítimas destes tipos de violência e ao acompanhamento da investigação dos casos por parte das autoridades responsáveis – disse Flávia Paiva.

No CREAS, a equipe responsável pelo atendimento aos episódios de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes é formada por três assistentes sociais, duas psicólogas, uma assistente administrativa e uma auxiliar de serviços gerais, todas aprovadas em concurso público, além de uma advogada, dois estagiários e da coordenadora geral Flávia Paiva, que também é assistente social. O serviço dispõe ainda de um veículo para os deslocamentos necessários, entre eles, aos órgãos de investigação na área criminal, que se localizam em Porto Real (poder judiciário, Ministério Público e Polícia Civil).

A caminhada realizada na manhã desta sexta-feira, com o objetivo de despertar a atenção dos moradores de Quatis para o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes começou no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) do bairro Jardim Independência e terminou na Praça Teixeira Brandão, no Centro da cidade. Participaram da caminhada os profissionais da área de assistência social e direitos humanos da prefeitura, funcionários da Secretaria Municipal de Educação, estudantes de cinco turmas (três do CIEP Municipalizado Marciana Machado De Elias e duas do Colégio Estadual Américo Pimenta), além de moradores do Município.